ABRIGO FAMÍLIAS

O Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental (CAFAP) é considerado uma resposta social, desenvolvida através de um serviço, vocacionada para o estudo e prevenção de situações de risco social e para o apoio a famílias com crianças e jovens em situação de perigo, concretizado na sua comunidade, através de equipas multidisciplinares (Direção Geral da Segurança Social, da Família e da Criança [DGSSFC], 2006), constituindo-se desta forma, um serviço de apoio às famílias com crianças e jovens em situação de perigo ou risco social (Melo & Alarcão, 2009).

O sentido de missão define-se da seguinte forma: proteger e potenciar o bem estar e fortalecimento das famílias com crianças e jovens em situação de risco ou perigo.


Pelo disposto na Portaria n.º 139/2013 de 2 de abril, o CAFAP consiste num “serviço de apoio especializado às famílias com crianças e jovens, vocacionado para a prevenção e reparação de situações de risco psicossocial mediante o desenvolvimento de competências parentais, pessoais e sociais das famílias”.

O CAFAP ABRIGO Famílias é, portanto, um serviço diferenciado que procura complementar a intervenção dos serviços de apoio à família existentes na comunidade.

A sua intervenção privilegia uma posição de colaboração com as famílias, procurando reforçar a qualidade das relações familiares e da família com a comunidade, fortalecendo as competências necessárias para a construção do bem-estar das crianças e jovens, no presente e no futuro.

O grupo alvo do CAFAP ABRIGO Famílias são as famílias com crianças e jovens em situação de risco ou perigo, ou seja, famílias com crianças que sofreram maus tratos, que se encontram em risco de serem maltratadas, que se encontram em situação de perigo para a sua integridade física e psicológica e famílias com crianças em cujas trajetórias desenvolvimentais é possível identificar fatores que a colocam em risco para o desenvolvimento de perturbações e problemas psicossociais futuros. Complementarmente a comunidade em geral, incluindo a comunidade técnica/especialista.

O CAFAP ABRIGO Famílias presta serviços orientados para a família mantendo presentes as necessidades de segurança e bem-estar da criança e do jovem; orienta-se por modelos ecológico-desenvolvimentais e sistémicos e valoriza modelos de resiliência familiar e individual, de forma a centrar-se nas forças e no reforço de competências relacionais e individuais necessárias para a construção do bem-estar das crianças e jovens, no presente e no futuro; privilegia a construção de relações de colaboração com as famílias, promotoras da autonomia e empowerment; promove a articulação e colaboração com a comunidade e com as instituições comunitárias (Melo & Alarcão, 2009).

Definindo-se o sentido de missão da seguinte forma: proteger e potenciar o bem-estar e fortalecimento das famílias com crianças e jovens em situação de risco ou perigo.


  • Promoção do fortalecimento das famílias;
  • Proteção e potenciação do bem-estar físico, psicológico e social dos elementos das famílias;
  • Promover o estudo e a avaliação de famílias em risco psicossocial;
  • Prevenir situações de perigo;
  • Evitar ruturas que possam levar ao acolhimento residencial;
  • Assegurar a satisfação das necessidades físicas, cognitivas, emocionais e sociais das crianças e jovens;
  • Reforçar as competências pessoais dos intervenientes no sistema familiar das crianças e jovens através de uma abordagem integrada dos recursos da comunidade;
  • Promover a mediação  entre a família e os serviços envolvidos para facilitar a comunicação, potenciar contactos e promover a solução de eventuais dificuldades;
  • Contribuir para a autonomia das famílias.

De acordo com o normativo referido (Portaria n.º 139/2013 de 2 de abril), o CAFAP ABRIGO Famílias tem como objetivos gerais:

  • Prevenir situações de risco e de perigo através da promoção do exercício de uma parentalidade positiva;
  • Avaliar as dinâmicas de risco e proteção das famílias e as possibilidades de mudança;
  • Desenvolver competências parentais, pessoais e sociais que permitam a melhoria do desempenho da função parental;
  • Capacitar as famílias promovendo e reforçando dinâmicas relacionais de qualidade e rotinas quotidianas;
  • Potenciar a melhoria das interações familiares;
  • Atenuar a influência de fatores de risco nas famílias, prevenindo situações de separação das crianças e jovens do seu meio natural de vida;
  • Aumentar a capacidade de resiliência familiar e individual;
  • Favorecer a reintegração da criança ou do jovem em meio familiar;
  • Reforçar a qualidade das relações da família com a comunidade, bem como identificar recursos e respetivas formas de acesso.

Como objetivos específicos:

  • Avaliar as dinâmicas de risco e proteção das famílias e as possibilidades de mudança;
  • Fomentar processos de resiliência familiar (a nível da dimensão das crenças familiares, processos organizacionais e capacidade de comunicação e resolução de problemas) e individual;
  • Melhorar a qualidade das condições sociais de vida das famílias e/ou a sua capacidade de as melhorarem;
  • Potencializar competências parentais (ao nível dos cuidados básicos, segurança afetiva, orientação e estabelecimento de limites, segurança e estimulação) facilitadoras de um desenvolvimento positivo das crianças e jovens;
  • Reduzir os problemas e mau estar sentidos pelas famílias;
  • Promover o bem-estar integrado (físico, psicológico, social) dos elementos das famílias em situação de risco;
  • Desenvolver a capacidade teórica e prática da população técnica para responder às necessidades das famílias com crianças e jovens em situação de risco ou perigo;
  • Elevar a capacidade de envolvimento comunitário e a participação cívica das famílias;
  • Aumentar o envolvimento da comunidade e a sua capacidade de promoção e proteção do bem-estar das famílias com crianças e jovens.